Gostaria de estudar Engenharia no Reino Unido? Ouça María Martínez Escobedo, falar sobre suas experiências de estudar Materiais Aeroespaciais na Universidade de Sheffield, e como ela vem aplicando seu conhecimento em sua carreira na GE Aviation, México.

Sobre María Martínez Escobedo 

Maria fez mestrado em Materiais Aeroespaciais na Universidade de Sheffield e agora está aplicando seus conhecimentos em um cargo executivo na GE Aviation, México. Saiba como ela passou seu tempo estudando em Sheffield e como é estudar uma área dominada pelos homens, a Engenharia Aeroespacial.

Perfis da palestrante 

O que a motivou a estudar no Reino Unido?

A reconhecida reputação em excelência e sua posição estratégica no setor aeroespacial. Sou engenheira aeronáutica, portanto as opções de pós-graduação nesta área são limitadas.

Qual foi o maior desafio que experimentou ao estudar fora de seu país?

Para mim foi o idioma. No início não foi fácil para mim, foi ainda mais difícil de entender o sotaque de Yorkshire e conseguir perceber as diferenças entre ambos, expressões formais e informais que eles usam.

Por que você escolheu a Universidade de Sheffield?

Ao pesquisar sobre as melhores universidades do mundo, comecei o processo de candidatura para 3 delas: Sheffield, Swansea e Kingston. Felizmente, recebi cartas de oferta de todas elas e tive então de decidir, mas Sheffield era a única que estava trabalhando com o CONACYT no México, que oferece bolsas de estudo anuais para cobrir as taxas. Após ser apresentada à Universidade de Sheffield e aos muitos programas que ela oferece, achei que era uma das melhores universidades de Ciências de Materiais, a única que oferecia um programa específico focado em Materiais Aeroespaciais. Tenho certeza de que a bolsa foi concedida sem hesitação por causa da inegável reputação de excelência acadêmica da Sheffield.

Qual foi a experiência mais valiosa sobre estudar no Reino Unido?

Mudou completamente a minha vida e a minha maneira de ver o mundo. Conheci pessoas incríveis, estudei muito mais do que nunca e ultrapassei meus limites no treino de rugby. A equipe de rugby da Universidade de Sheffield tornou-se minha família no Reino Unido e me ensinou muito sobre experimentar a prática de valores fundamentais, dentro e fora do campo

O que a inspirou a se tornar uma Engenheira Aeronáutica?

A inovação no setor era novidade para mim, e parecia difícil e interessante ao mesmo tempo. Eu queria algo que pudesse ser multidisciplinar. Eu tive um excelente professor de geografia que constantemente me incentivava a sonhar alto em novas áreas de conhecimento. Para minha surpresa, inaugurou um novo campus do Instituto Politécnico Nacional do México perto da minha cidade, oferecendo Engenharia Aeronáutica. Quando eu visitei o campus da universidade, fiquei muito animada com os laboratórios e aeronaves - Senti que ali era meu lugar.

No que você está trabalhando no momento?

Trabalho para a General Electric Aviation como engenheira de projeto em geometria variável e sistemas de acionamento. Sou responsável por dar suporte de engenharia nos programas comerciais e militares e assegurar a conformidade com a intenção de segurança, qualidade e projeto das peças. Estive recentemente trabalhando nas melhorias de componentes específicos, para a introdução de redesenhos nos programas T64 e CT7.

O que você considera ser suas maiores conquistas?

É difícil dizer. Acredito que cada pequena vitória na minha vida me levou para onde eu estou hoje, o que é uma grande conquista. No entanto, gostaria de dizer que ser reconhecida por meu trabalho como Engenheira de Promessa no meu país e ser capaz de chegar até muitas jovens, colegas e estudantes para inspirá-las com minha jornada, foi a maior conquista até agora.

Como você acha que pode fazer a diferença?

Aprendendo com a experiência, desenvolvimento e implementação da inovação para o futuro, no que eu faço agora e liderando pelo exemplo. Posso continuar a contribuir com a construção de transportes mais seguros, eficientes e acessíveis para as pessoas em todo o mundo. Posso fazer a diferença ao realizar meu trabalho da melhor maneira possível e ao me conectar com os jovens, colegas e amigos em minha comunidade, compartilhando o amor que tenho por conhecimento e engenharia.

Se tivesse a chance de dar conselhos à sua jovem você, o que seria?

Aprender mais idiomas e tocar um instrumento musical. Para mim a Engenharia é arte, mas, agora, ficou comprovado que a ligação com as belas artes é um divisor de águas para o desenvolvimento da originalidade no nível de gênio.

Quais as competências e habilidades que você considera importantes para que as mulheres desenvolvam?

Habilidades: Comunicação eficaz, autoconfiança e o trabalho em equipe, para mim são as mais importantes. Capacidades: Automotivação, flexibilidade e networking.

Quais conselhos daria para as mulheres que estão pensando em estudar no Reino Unido?

Tomar decisões, planejar, tomar ações e reinventar o futuro, esta é a sua chance de conhecer a si mesmo.

Em 3 palavras, descreva a sua experiência no Reino Unido: excepcional, transformador e gratificante.