Creative Commissions: City of London Exhibition - Photo by: Rosanna Lewiseg

O British Council tem o prazer de anunciar o lançamento de 17 Comissões Criativas que abordarão a mudança climática através da arte, ciência e tecnologia digital.

As Comissões Criativas foram premiadas seguindo um processo de seleção competitivo no qual foram julgadas cerca de 480 propostas do mundo inteiro. As comissões são financiadas pelo British Council e serão administradas por organizações e pessoas do Reino Unido que trabalham com equipes em outros 33 países.  

As comissões têm como objetivo estimular conversas globais em torno da mudança climática, além de inspirar novas transformações.

As Comissões Criativas fazem parte da plataforma global The Climate Connection, do British Council que visa unir esforços em todo o mundo para enfrentar os desafios climáticos através da arte, da educação e da língua inglesa. As Comissões Criativas participaram dos preparativos para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática - COP26, uma oportunidade para compartilhar ideias e implementar ações em conjunto.

Vamos enfrentar juntos as mudanças climáticas

As Comissões Criativas estão reunindo comunidades indígenas, bem como populações rurais e urbanas, a fim de entender suas opiniões sobre as mudanças climáticas e pensar em respostas e soluções adequadas. A prioridade dos projetos é quebrar barreiras e enfrentar questões desafiadoras como migração climática, poluição plástica, erosão costeira, desmatamento, biodiversidade e os efeitos das mudanças climáticas em nosso meio ambiente. 

Estamos apoiando ativamente grupos e comunidades subrepresentadas nas discussões sobre mudanças climáticas, como parte de nosso compromisso com a igualdade, diversidade e inclusão. Também estamos nos envolvendo com diferentes organizações e indivíduos de diferentes gêneros, etnias, idades e competências. A maioria dos projetos selecionados são voltados para os jovens ou estão sendo liderados por grupos de jovens. 

As Comissões Criativas

As Comissões Criativas foram lançadas como parte do novo programa The Climate Connection, do British Council, em paralelo à 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26). O programa The Climate Connection reúne pessoas de todo o mundo para enfrentar os desafios das mudanças climáticas. 

As Comissões Criativas envolvem tanto jovens quanto grupos e comunidades que estão subrepresentados nas discussões sobre mudanças climáticas. Os projetos são multidisciplinares, reunindo diferentes comunidades, artistas, tecnólogos, planejadores urbanos, engenheiros, líderes intelectuais, ativistas, cientistas e outros.

As 17 comissões receberam uma participação de cerca de £750.000 libras ou £850.000 libras, e realizaram suas atividades entre março e novembro de 2021. Ao longo do ano, os projetos selecionados compartilharão seus resultados através de vários meios digitais, como narrativas, quadrinhos digitais, animações e experiências de realidade virtual. Estaremos compartilhando o progresso dos projetos em nossos canais, com as hashtags #TheClimateConnection, #COP26 e #TogetherForOurPlanet.

Os projetos selecionados

Saiba mais sobre os projetos que foram selecionados para participar das Comissões Criativas.

Climate Portals

  • Parceiros:HarrisonParrott (Reino Unido), Conservatório Real da Escócia (Escócia), Ballet Escocês (Escócia), Gaza Sky Geeks (Territórios Palestinos Ocupados), Promise Hub (Uganda).
  • Tema: Geral 

Sinopse

Neste intercâmbio digital e artístico a criatividade é a protagonista O projeto consiste em um container de Estúdios Compartilhados que funciona como um portal. Este portal está localizado no Conservatório Real da Escócia e oferece uma conexão imersiva adaptada à vida real que cria a sensação de compartilhar o mesmo espaço. Desta forma, pessoas de todo o mundo podem conversar, dançar, brincar e ajudar umas às outras. O portal conectará o portal do Reino Unido a países do mundo inteiro física ou digitalmente (Bangladesh, Paquistão, Iraque, Territórios Palestinos Ocupados, México, Ruanda, Nigéria, Uganda, entre outros).

Dos campos de refugiados aos centros tecnológicos, cada país tem parceiros curadores internacionais que atraem pessoas para participar da experiência imersiva de um portal a outro. Estes curadores identificarão os participantes, organizarão eventos, facilitarão diálogos e fornecerão um serviço de interpretação ao vivo. São 12 horas de conteúdo que serão exibidas durante os 4 meses que antecedem e incluem a conferência COP26. Os Climate Portals também envolverão os estudantes do Conservatório e da comunidade de Glasglow. Com base no tema sobre a mudança climática, isto poderia incluir novas comissões artísticas, masterclasses e intercâmbio de conhecimentos em colaboração com outros parceiros internacionais.

Para mais informações, visite o site da HarrisonParrot.

Doing Zero

  • Parceiros: Design Manchester (Inglaterra), Nairobi Design Week (Quênia), Standard Practice Studio (Inglaterra), S!CK Festival (Inglaterra)
  • Tema: Alimentos

Sinopse

Doing Zero é um protótipo de projeto colaborativo entre duas comunidades urbanas com diferentes experiências e agendas sobre mudança climática. Acontece em Dagoretti Corner no oeste de Nairóbi, Quênia, assim como na área urbana de Moston e Harpurhey em Manchester, Inglaterra. Doing Zero explora a relação entre saúde mental, pobreza e mudança climática no contexto da alimentação.

O projeto conduzirá sessões de discussão entre comunidades e artistas ou designers locais da comissão para trabalharem juntos na cocriação de invenções localmente relevantes. Uma "biblioteca verde" temporária será criada em Manchester para se conectar com uma biblioteca digital em Nairóbi, a fim de incentivar oficinas, contos e espaços colaborativos. Cientistas e outros especialistas criarão um guia de informações sobre os estilos de vida atuais, orçamentos locais para o carbono e recursos para grupos locais. Este guia será cruzado com planos existentes, bem como com políticas locais e governos nacionais em cada área respectiva para desenvolver um alto nível de compreensão das prioridades e decisões para indivíduos, famílias, pequenas empresas e organizações comunitárias.

Entre as conquistas do Doing Zero, estão incluídas uma série de intervenções de arte pública, recursos de informação, projetos de comunicação e dados comportamentais. Foi lançado na Nairobi Design Week em março de 2021 e será exibido no DM21 Design Festival, em Manchester, em novembro de 2021.

Para mais informações, visite o site do Doing Zero.

Colaboração entre o British Council e a WWF

O British Council está trabalhando em parceria com a organização ambiental britânica WWF. O concurso Just Imagine, envolveu redes criativas, instituições e indivíduos no Reino Unido, que reimaginaram um novo mundo inspirado no documentário A Life on our Planet, de David Attenborough. Como parte de nossa parceria, o WWF Reino Unido participou como juiz convidado do painel de pré-seleção das Comissões Criativas e selecionou o Doing Zero como o projeto vencedor durante a competição Just Imagine. Doing Zero se juntará a outros doze projetos pré-selecionados que serão exibidos em espaços ao ar livre em todo o Reino Unido.

Saiba mais sobre a parceria entre o British Council e a WWF

Everything Change

  • Parceiros: Taliesin Arts Centre, Universidade de Swansea (País de Gales), Festival de Literatura de Dhaka (Bangladesh).
  • Tema: Geral

Sinopse

Everything Change é um programa de discussões online, em tempo real, que ocorre em Swansea, País de Gales, e Dhaka, Bangladesh. O foco será o pensamento criativo e adaptativo entre setores e disciplinas para superar os desafios colocados tanto pelas crises climáticas como ecológicas, a fim de criar um futuro melhor. Serão apresentadas as opiniões de artistas, acadêmicos, escritores, cientistas e comunidades, através de um diálogo globalmente compartilhado.

Um convite à ação será o foco do projeto Everything Change, que será interativo e abordará questões sociais complexas. O programa compreenderá seis comissões de filmes, dramas, peças teatrais e narrativas utilizando a realidade virtual e destacando a consciência climática em cada uma de nossas culturas. Diferentes exposições do projeto contribuirão para as sessões de outubro do Everything Change, em Swansea e em Dhaka durante o Festival de Literatura em junho de 2022.

Para mais informações, visite o site do Taliesin Art Centre.

Listening to Ice – Learning from Glaciers and Glacial Communities

  • Parceiros: Goldsmiths, Universidade de Londres (Inglaterra), Instituto Indiano de Tecnologia Indore, Simrol (Índia).
  • Tema: Derretimento dos glaciares

Sinopse

Devido à mudança climática, as transformações físicas das geleiras dos Himalaias estão tendo um impacto direto sobre as comunidades de montanha através de inundações, padrões pluviométricos e aumentos de temperatura, mas também através de fenômenos climáticos em todo o mundo. Esta Comissão Criativa é projetada a partir de pesquisas de vários anos que exploram diferentes práticas acadêmicas mediadas por conhecimentos científicos, conhecimento local e tradições indígenas em torno do 'gelo'. 

Listening to Ice: Learning from Glaciers and Glacial Communities será dividido em cinco atividades principais, cada uma com abordagens acústicas e audiovisuais diferentes. 1) Experiência de Pesquisa Acústica Himalaia (HEAR, sigla em inglês) 2) Escuta Profunda de Glaciar 3) Audição Pública 4) Histórias Aurais/Orais de Mudança Glaciar e 5) Escutar e Aprender. 

Um dos melhores resultados de Listening to Ice foi um documentário que será exibido em galerias públicas e festivais de cinema. É uma plataforma de projeto digital online com a capacidade de transmitir dados ao vivo do Glaciar Drang-Drung, bem como uma série de entrevistas e podcasts.

Living-Language-Land

  • Parceiros: Neville Gabie, artista freelancer e Philippa Ruth Bayley, produtor criativo (Inglaterra), Matthias Brenzinger, pesquisador lingüístico (África do Sul), Cesar Augusto Sanchez Leon (Colômbia).
  • Tema: Paisagem e natureza

Sinopse

Living-Language-Land é uma viagem através de línguas minoritárias e ameaçadas que revela diferentes maneiras de se relacionar com a paisagem e a natureza. Como preâmbulo à COP26, 26 palavras serão compartilhadas para inspirar o público mundial na luta contra a crise ambiental. Será construído um léxico vivo, um banco de palavras, a partir de línguas minoritárias e ameaçadas de extinção, que estará relacionado à terra e à natureza. Da mesma forma que as plantas e os animais, centenas de idiomas estão desaparecendo rapidamente e com eles também verdadeiras estratégias práticas e conceituais para uma vida sustentável. Living-Language-Land procura animar as perspectivas globalmente difundidas na conversa sobre a degradação do clima e suas soluções mercantis nas quais a hegemonia inglesa e ocidental predomina.

Nas redes sociais, serão inicialmente usados como idiomas de comunicação o espanhol e o inglês Serão compartilhadas 26 palavras antes da COP26 através de histórias fotográficas e em formatos escritos, visuais e de áudio. Cada palavra conectará o público a uma associação particular entre a linguagem e a terra, bem como aos desafios ambientais que enfrentamos. As palavras também evoluirão para ações criativas que as pessoas poderiam tomar em sua vida diária, e haverá espaço para novas idéias.

Para mais informações, visite o site da Living-Language-Land.

Ouça o episódio 7 do podcast The Climate Connection sobre linguagem natural.

Assista ao evento Season for Ex-Change sobre como enfrentar juntos a mudança climática.

Millipede

  • Parceiros: Teatro Nacional da Escócia (Escócia), Think Arts (Índia)
  • Tema: Pegada de carbono

Sinopse

"Um par de sapatos pode mudar sua vida" - Cinderela, "É um pequeno passo para o homem; um salto gigantesco para a humanidade" - Neil Armstrong. Todos nós temos uma pegada de carbono e milhares de perguntas, quais são as suas? 

Millipede (mil pés) é uma sapataria online criada diante da mudança climática com o objetivo de gerar idéias e construir soluções artísticas para nossa pegada de carbono. Sapateiros imaginários (participantes) de todos os estilos de vida irão criar exposições para nossa experiência interativa de compras online. Nosso objetivo é promover o engajamento e a criatividade dentro de nosso grupo participante para comunicar conceitos factuais amplos e complexos através de uma perspectiva lúdica, ao trabalhar com artistas e líderes científicos.

O Teatro Nacional da Escócia and o Think Arts se unirá a artistas e líderes científicos da Índia e da Escócia para criar um programa de oficinas para sete comunidades diferentes em ambos os países para gerar soluções artísticas, que serão exibidas através das exposições digitais na coleção Millipede. A Millipede promoverá uma conversa global entre pessoas de diferentes culturas e suas experiências vividas na Escócia e na Índia.

Será criado um site interativo onde os visitantes navegarão através de caixas de sapatos em prateleiras virtuais. Cada obra de arte digital será projetada por artistas que trabalham com participantes de diferentes idades e grupos populacionais na Escócia e na Índia. As exposições da Millipede atrairão visitantes de todo o mundo, especialmente aqueles que querem ver um reflexo de sua própria pegada de carbono. Eles fornecerão informações científicas e oferecerão soluções tangíveis para que possamos diminuir nossa contribuição à mudança climática.

Millipede, loja digital, estará disponível ao público em 1º de novembro.

Museum of Plastic

  • Parceiros: Cooperative Innovations (Inglaterra) Eden Festival of Action (liderado pelo Greenpop, África do Sul).
  • Tema: Plástico

Sinopse

O museu de plástico online estará disponível em 2021 para contar novas histórias sobre o plástico. Isso nos ajudará a equilibrar nossas ações diárias de forma significativa e como parte vital de uma história de um século. Queremos imaginar o melhor cenário para o futuro. Queremos nos motivar a partir de uma profecia positiva auto-cumprida.

Uma exposição única (disponível em smartphones e realidade virtual) criará novas formas de compartilhar conhecimentos e pesquisas sobre o plástico. O museu contará com seis salas que tratarão do passado, presente e futuro do plástico. Através da liderança da Greenpop, o museu será decorado com arte de realidade mista, recentemente encomendada aos muralistas sul-africanos. O projeto permitirá que jovens artistas da África do Sul criem murais digitais em 3D sobre nossa relação com o plástico e defendam ações que possam reduzir nosso consumo, ao mesmo tempo em que criam outras possibilidades.

Para mais informações, visite o site do Museum of Plastic.

Nine Earths

  • Parceiros: D-Fuse (Inglaterra), Metal (Inglaterra), Universidade RMIT (Vietnã), Maya Chami, Artista Digital e Visual, Sembilan Matahari (Indonésia), AguaForte (Brasil), Multiplicidade (Brasil)
  • Tema: Consumo

Sinopse

Nine Earths é um projeto interdisciplinar e colaborativo que explora a relação entre nossa pegada de carbono, o consumo global diário e as diferenças urbanas e culturais em todo o mundo. O projeto reúne artistas independentes, ativistas da mudança climática e comunidades locais do Reino Unido, Indonésia, Líbano, Brasil e Vietnã para explorar e documentar suas vidas diárias. Ele reunirá vídeo, áudio, imagens e conversas sobre as mudanças climáticas para criar uma transmissão única e inovadora que ficará disponível 24 horas por dia por um período inicial de 4 semanas.

Esta transmissão mistura imagens e vídeos feitos por jovens participantes (entre 18-24 anos), que se mesclam através de uma paisagem sonora digital. Através desta coleção de experiências visuais, o projeto visa criar uma exposição digital interativa contínua para que possa mudar e elevar a compreensão do impacto de nossas rotinas diárias sobre o clima. O projeto está baseado no Dia da Dívida Ecológica - uma época em que cada país atinge um ano de uso de recursos (11 de fevereiro no Qatar e 17 de maio no Reino Unido, por exemplo) - e é apoiado por razões e dados científicos.

Para mais informações, acesse os sites Metal Culture e BFI.

Phone Call to the World

  • Parceiros: Scottish Youth Theatre (Escócia), ARROWSA (África do Sul), Universidade de Aberdeen (Escócia), Al-Harah Theatre (Territórios Palestinos Ocupados), Touchstones (Inglaterra), Study Hall Educational Foundation (Índia).
  • Tema: Energia renovável, biodiversidade, propriedade de terra disputada.

Sinopse

Este projeto tem como base a premissa de que "a mãe terra parou de respirar", o que motivou uma chamada para o mundo. Jovens de três continentes se envolverão com as questões da mudança climática que podem impactá-los  localmente, e identificarão em conjunto o maior desafio climático do mundo. Com enfoque para uma chamada, os jovens criarão uma apresentação digital que irá informar, questionar, confrontar e desafiar seu público.

As apresentações serão curtas e impactantes em suas mensagens e são projetadas para serem implantadas em redes sociais e outras plataformas digitais de alcance de massa. Outros projetos artísticos, como podcasts, filmes e apresentações ao vivo também serão acrescentados. Cada localidade se concentrará em uma questão de importância local, por exemplo, na Escócia se concentrarão em petróleo, gás (Shetland/Costa Leste/Pesca), silvicultura e reflorestamento (Dumfries e Galloway Highlands). Na África do Sul, os jovens em Durban e nas planícies da Cidade do Cabo explorarão a mudança climática no contexto histórico de terras contestadas que recuperarão os povos indígenas como mordomos da terra.

Este projeto terá seu próprio website que reunirá as criações dos jovens na forma de arquivos de áudio, filmes ou podcasts encontrados no Google Earth e ligados ao Youtube e às redes sociais de todos os participantes. 

Para maiores informações visite o website Phone Call to the World.

Projeto arCc

  • Parceiros: Universidade de Middlesex (Inglaterra), Universidade Jazar (Azerbaijão), Oracle TES, Universidade Europeia de Tirana (Albânia), Dzemal Bijedić Universidade de Mostar (Bósnia e Herzegovina), Academia Árabe de Ciência e Tecnologia (Egito), Universidade Estadual de Tbilisi (Geórgia), Universidade Mutah (Jordânia), Universidade Eurasian Innovative (Cazaquistão), Faculdade Universitária (Kosovo), Universidade de Jos (Nigéria), Oracle TES (Inglaterra).
  • Tema: Geral

Sinopse

O projeto arCc (em seu compromisso com a mudança climática) foi inspirado pela pandemia do Covid-19, já que instituições e organizações de cerca de 25 países precisavam de uma plataforma e infraestrutura para compartilhar seus aprendizados durante a crise. O mesmo desafio persiste na concepção de soluções inovadoras e criativas diante da mudança climática. Em colaboração com Oracles TES, uma organização de especialistas em serviços educacionais sediada na Inglaterra, a Universidade de Middlesex conduzirá uma série de instituições em doze países diferentes para aumentar a conscientização sobre a mudança climática internacionalmente.

O foco será como desencadear a empatia em nível nacional, educando um grupo considerável de estudantes e cidadãos sobre sua parte na responsabilidade na mudança climática. Este projeto tem como objetivo ser o primeiro a estabelecer uma rede de participantes capaz de ampliar os resultados e as ações subseqüentes.

School Exchange – Escócia e Nepal

  • Parceiros: Universidade de Edimburgo (Escócia), Universidade Tribhuvan (Nepal), Teach for Nepal, Midlothian Council (Escócia).
  • Tema: Biodiversidade e poluição do ar

Sinopse

Este projeto reúne crianças em idade escolar no Nepal - um país fortemente afetado pela mudança climática e subdesenvolvido em termos de comportamento pró-ambiental - com comunidades na Escócia - um país comprometido com a mudança climática, mas menos obviamente afetado. Através do trabalho colaborativo, estudantes de dez escolas em cada país realizarão experimentos paralelos baseados em medições ambientais e compartilharão histórias, ações e descobertas.  As crianças compartilharão experiências através de vídeo-correspondência que lhes permitirá explorar suas intervenções mais bem-sucedidas e aprender mais sobre o clima do outro país.

As experiências e pesquisas de campo conduzidas por alunos incluirão a medição dos níveis de poluição do ar e da água, análise dos níveis de resíduos, medição dos níveis de CO2, níveis de temperatura e precipitação de chuvas. Trabalharão em conjunto com aprendizes mais experientes para articular e programar estações meteorológicas. Os resultados das experiências formarão a filosofia da escola e o estabelecimento de outras ações de eco-engajamento nas comunidades, o que permitirá a implementação de ações específicas para abordar as questões ambientais mais prevalecentes em suas localidades.

Eco-comunidades na Escócia e no Nepal compartilharão suas histórias de sucesso e desafios a fim de encontrar as soluções mais inovadoras, que serão financiadas através da implementação de um prêmio anual. Os aprendizes também criarão oficinas artísticas que promoverão mensagens de sustentabilidade e trabalharão lado a lado com cartunistas, editores de blogs e repórteres.

Songs of the Earth

  • Parceiros: Soumik Datta Arts (Reino Unido), Rede do Dia da Terra (Índia)
  • Tema: Diversos: migração climática, clima extremo, eficiência energética, poluição plástica, poluição do ar, erosão costeira, desmatamento e incêndios florestais.

Sinopse

Songs of the Earth procuram perturbar, provocar e desafiar os destroços inaceitáveis da saúde de nosso planeta através de uma série musical animada. Através do reconhecimento de novas histórias, novas vozes, múltiplos idiomas, eletrônica, fusão clássica, ilustração e efeitos digitais no processamento de som (FX), o projeto busca criar um curta-metragem animado e vários trechos com uma mensagem sobre a mudança climática em questões críticas tanto para a Índia quanto para o Reino Unido. Estas questões estão relacionadas à migração climática, clima extremo, eficiência energética, poluição plástica, poluição do ar, erosão costeira, desmatamento e incêndios florestais.

A equipe criativa facilitará workshops com cientistas para compor, gravar e animar o curta-metragem que visa aumentar a consciência pública sobre a urgência dos diálogos climáticos. Promoverão um comportamento de impacto através de músicas originais e projeções audiovisuais.

Street Art Opera

  • Parceiros: Dumbworld (Irlanda do Norte), The Art of Music Foundation (Quênia), White Rhino Films (Quênia).
  • Tema: Geral

Sinopse

Street Art Opera é um programa ativo que convida jovens participantes a escrever, desenvolver e executar uma ópera em resposta à mudança climática a partir de uma perspectiva humana e social. Como complemento à COP26, a ópera será gravada, animada e projetada como uma instalação audiovisual em espaço público no Quênia e Glasglow por três dias com três horas de duração. Seu lançamento faz parte de um programa em escala global de oficinas de ópera inovadoras em preparação para 2030 que procuram aumentar a conscientização sobre os GDS da ONU, bem como captar as vozes, preocupações e visões dos jovens sobre as mudanças climáticas e seu impacto sobre as pessoas e o meio ambiente.

Este projeto tem como objetivo elevar as vozes dos jovens através da expressão criativa em linha com suas experiências, preocupações, esperanças e visões para o futuro.

Tales of Care and Repair

  • Parceiros: Repair Acts, University of the East of England (Inglaterra), Toxic Links (Índia), Gambiologia (Brasil)
  • Tema: Reparo, consumo

Sinopse

Tales of Care and Repair reúne artistas, designers, acadêmicos e organizações não-governamentais ambientais da Índia, Brasil e Reino Unido para criar um repositório digital de histórias relacionadas ao reparo e os recursos de que os cidadãos precisam para preservar sua cidade, município ou vilarejo. Este projeto conecta as UN SDGs sobre produção e consumo responsáveis diante da mudança climática através do posicionamento do reparo como um ato radical que transforma nossa relação com os elementos do mundo. As histórias serão coletadas através de um chamado à ação dirigido aos jovens (18-24), cidadãos, famílias e idosos (68-80), que serão convidados a apresentar os objetos que repararam, bem como as histórias por trás deles.

O programa lançará eventos de "chamada à ação" com o objetivo de coletar objetos e histórias de três locais diferentes: Deli (Índia), Belo Horizonte (Brasil) e Bristol (Reino Unido). Serão realizados workshops especiais criados por planejadores de políticas públicas, especialistas em fabricação e sustentabilidade, assim como grupos de jovens e idosos, que juntos elaborarão uma "Declaração de Cuidados e Reparos". Este projeto procura revelar a complexidade do conjunto de dinâmicas que se relacionam, por exemplo, com a eficiência de recursos, economias de berço a berço e o efeito da poluição por resíduos nos ecossistemas, ao destacar histórias de reparos.

Para mais informações, visite o site Tales of Care and Repair.

The Green Spaces Atlas

  • Parceiros: Studio Future (Inglaterra), Studio Future (Inglaterra), Climate Exploration Hub (Botsuana), TNT Media Production (África do Sul).
  • Tema: Planejamento e biodiversidade

Sinopse

The Green Spaces Atlas trabalhará com jovens de 18 a 24 anos para conceituar, visualizar e desenvolver modelos espaciais verdes em bairros urbanos negligenciados e abandonados. Inicialmente, o conceito se concentrará em Gaborone, Botsuana, e reunirá cinco equipes de três jovens de diferentes disciplinas para vislumbrar juntos um espaço urbano verde.

As equipes serão compostas por um arquiteto eco experiente para auxiliar na concepção do projeto, um especialista em mudança climática para orientar e controlar o processo, e um designer gráfico para dar vida à visão. As equipes documentarão sua jornada e o processo criativo e, após a conclusão, os modelos de cada equipe serão publicados em um site dedicado (como as primeiras entradas em The Green Spaces Atlas) e mostrados aos planejadores urbanos de Gaborone para instigar ação e mudança.

Trees for Life

  • Parceiros: Sylvia Grace Borda, Artista e Estrategista Climática e J. Keith Donnelly, Artista Climática Criativa, Dundee Council (Escócia) Rural Organisation for Better Pastoral Farming (Ethiopia) e o Institute for Sustainable Horticulture (Canadá).
  • Tema: Biodiversidade

Sinopse

Trees for Life reúne a experiência dos jovens e comunidades etíopes (da região de Kofele e Oromia) com o conhecimento indígena para responder aos desafios da biodiversidade e da mitigação do clima, plantando árvores e aproveitando o mapeamento por satélite e criando narrativas em torno da resiliência climática. 

Na Etiópia, o projeto está ajudando a estabelecer um viveiro de árvores com a ajuda de jovens e mulheres e técnicas de manejo de terras que trazem mudanças positivas.  Os participantes estão trabalhando juntamente com os artistas no desenvolvimento da primeira arte climática do mundo usando satélites de observação da Terra. Além disso, o projeto está inspirando uma plataforma para que a comunidade internacional desenvolva projetos de arte virtual imersivos dedicados a melhorar o clima e a biodiversidade terrestre. 

Há também uma oportunidade para o público participar da criação de suas próprias obras de arte ao vivo através de “graffiti de plantas”, o plantio de flora nativa em espaços públicos e locais usando diferentes formas como padrões (por exemplo, um círculo ou esboço de uma flor ou pássaro). Estas formas podem ser observadas através de imagens aéreas ou de satélite. Desta forma, qualquer pessoa pode criar ações impactantes e espaços ambientais estéticos que podem se tornar um centro de eco-restauração e de diálogo em torno da mudança climática.

O Conselho Municipal de Dundee, a Cidade do Design da UNESCO, está lançando o projeto como parte do Festival Digital Neon para aumentar a conscientização sobre a mudança climática e a mitigação.  Este projeto funciona como um protótipo para futuras parcerias, enquanto cria ações significativas em todo o mundo.

10 Years to Save the World

  • Parceiros: Lakes International Comic Arts Festival (Inglaterra), Komiket (Pilipinas); Creative Concern (Inglaterra).
  • Tema: Geral

Sinopse

Ten Years to Save the World é uma de uma série de comissões criativas financiadas pelo British Council que exploram a mudança climática através da arte, ciência e tecnologia digital. O projeto transmite uma mensagem urgente: temos dez anos para fazer as grandes mudanças necessárias para salvar nosso planeta. Simples assim. 

A comissão demonstrará o poder dos quadrinhos na promoção de ações sobre a mudança climática, criando uma antologia de arte digital. O projeto é destinado a jovens entre 18 e 24 anos e reúne dois festivais de arte cômica: O Lakes International Comic Art Festival, no Reino Unido, e Komiket, nas Filipinas. Os comunicadores de mudança climática da Creative Concern também participarão.

Dez importantes artistas de quadrinhos, com estilos e abordagens diversas, estão desenvolvendo propostas criativas em resposta à crise climática. Seu trabalho foi estruturado e nutrido por jovens de ambos os países, que participaram de discussões virtuais para orientar os artistas.

O lançamento da antologia em quadrinhos nas Filipinas ocorrerá em 25 de setembro, enquanto no Reino Unido será lançado entre 15 e 17 de outubro durante o The Lakes International Comic Art Festival, em Kendal. Uma exposição do trabalho também está prevista em Kendal, Manchester. Outros locais devem ser confirmados.

Para mais informações, visite o site 10 Years to Save the World.

As Comissões Criativas são um conjunto impressionante de projetos únicos e provocadores de pensamento que abordam os desafios climáticos em todo o mundo. Cada projeto explora nossa relação conosco mesmo, uns com os outros e com o meio ambiente. Através da arte, ciência e tecnologia digital, as histórias são trazidas à vida, enquanto as ações são tomadas por comunidades indígenas, jovens, artistas, pesquisadores e muitos outros interessados. O British Council tem a honra de trabalhar com parceiros muito talentosos e apaixonados na conscientização da mudança climática e do papel da arte e da cultura nos desafios globais que nos preocupam a todos. 

Rosanna Lewis, Coordenadora das Comissões Criativas do British Council

Os projetos que fazem parte das Comissões Criativas trazem idéias e ações em todo o mundo, bem como um desejo de unir forças para enfrentar os desafios que nos preocupam a todos. Ficamos maravilhados com a qualidade e o incentivo das idéias que saíram deste chamado. Foi uma decisão incrivelmente difícil, mas estamos muito satisfeitos com a diversidade e variedade da seleção dos projetos finais que vieram antes desta comissão. São a prova de que a ação climática não só é possível, mas que pode ser inovadora, excitante e fazer a diferença. 

Tania Mahmoud, Coordenadora de Programas Urbanos do British Council

Siga a jornada criativa

Os candidatos aprovados realizaram seus projetos entre março e novembro de 2021. Num espírito de colaboração, eles iniciaram o processo de aprendizagem, assim como socializar e desenvolver ideias com participantes de todo o mundo. Compartilhamos o progresso dos projetos em nossos canais nas mídias sociais com as hashtags #TheClimateConnection, #COP26 e #TogetherForOurPlanet.

Se tiver alguma dúvida sobre o projeto, envie um e-mail para creativecommissions@britishcouncil.org

External links