Pedro Vargas / Senior Operations Manager, Brazil

Qual foi a coisa mais importante que você aprendeu trabalhando no British Council?

Eu tenho trabalhado para o British Council por aproximadamente 12 anos e destacar o que mais aprendi ao longo desses anos não é fácil. Refletindo, no entanto, eu diria que é a importância de se ter valores claros, estabelecidos e reforçados por uma organização.

Anteriormente ao British Council, eu nunca havia trabalhado em uma instituição com tal dedicação e respeito à seus valores. Embora tenham sido ligeiramente atualizados ao longo dos anos, sua essência nunca mudou, me apoiando em minha carreira em várias ocasiões ao enfrentar circunstâncias desafiadoras. Nessas situações, refletir sobre nossos valores me ajudou a percorrer e me adaptar a diferentes cenários e ambientes em mudança, e a tentar e tomar as melhores decisões. Definitivamente, é algo que levarei comigo em minha carreira e vida pessoal.

Qual habilidade você desenvolveu ou aprendeu trabalhando aqui?

Acredito que minhas principais habilidades desenvolvidas vão além do treinamento formal fornecido pela organização ao longo dos anos; “hard skills”, como conhecimentos no SAP e uma certificação em gerenciamento de projetos. De fato, as habilidades que eu destacaria são os "soft skills", ajustados a oportunidade de trabalhar em organização com uma perspectiva internacional, além do contato e aprendizado com os colegas (colaboração), clientes e parceiros de diversos países, culturas, origens e idiossincrasias, que me mostraram diferentes maneiras de se encarar os problemas (pensamento criativo e resolução de problemas), o contexto organizacional em constante mudança das áreas em que trabalhamos (adaptabilidade), sendo ampliado e retirado minha zona de conforto com diferentes projetos e desafios (resiliência).

Como você descreveria as pessoas com quem trabalha?

Tive o privilégio e o prazer de trabalhar com colegas de diferentes países e regiões do mundo durante meu tempo aqui. Olhando para trás e agora, posso dizer que há alguns traços comuns que parecem permear o “DNA” de nossa equipe: a paixão pelos projetos e programas que entregamos, o desejo de fazer a diferença na vida das pessoas  com que trabalhamos e o compromisso com as relações culturais e a mutualidade, onde está a gênese da nossa organização.

Que outra área ou unidade de negócio você gostaria de explorar dentro da organização?

Tive a oportunidade de ocupar diversos cargos, em departamentos e setores diferentes, e em  diversos níveis dentro da organização. Trabalhei como Project Officer e Project Manager de Educação, HE, Science, Society, Arts e English, Digital Manager interino, Diretor de Educação Superior interno, Vice-Diretor de Operações e minha função atual como Gerente de Operações Sênior.

Ainda tenho a curiosidade de explorar outras áreas da organização, potencialmente agora em um espectro mais regional.

O que acha que o British Council poderia/deveria fazer mais?

Nós realmente precisamos nos manter atualizados e conectados aos nossos públicos-alvo, e fazer isso aprimorando continuamente nossas pesquisas e análises de mercado para melhor entender nossos clientes, para que assim possamos gerar projetos, serviços e produtos que, por fim, continuarão a nos manter relevantes enquanto organização.

O que gostaria de dizer a qualquer pessoa que esteja interessada em trabalhar no British Council?

Fazer parte do British Council é fazer parte de uma organização com influência e alcance mundial, é um local de diversidade onde você terá a oportunidade de trabalhar com alguns dos mais incríveis conteúdos, projetos, equipes e indivíduos. Você verá o resultado de seu trabalho impactando a vida das pessoas e a comunidade em que vivem; seja na sua cidade ou do outro lado do mundo.

Apenas um aviso final: entender todas as siglas pode ser um pouco complicado no começo... mas você não está sozinho, todos nós já passamos por isso. E sim, a princípio é difícil explicar aos amigos e parentes que você não trabalha no consulado.